Zilveti Advogados apresenta seu novo sócio: Prof. Dr. Gerd Willi Rothmann

 

Dois dos mais respeitados tributaristas unem forças. O Prof. Dr. Gerd Willi Rothmann, que há mais de 45 anos se dedica à advocacia empresarial, passa a integrar o escritório Zilveti Advogados. Rothmann é Doutor e Livre-Docente pela Faculdade de Direito da USP, onde como Professor Sênior ministra cursos em direito tributário doméstico e internacional, sendo responsável por formar gerações de tributaristas. Como advogado, Rothmann foi pioneiro na assessoria jurídica a empresas estrangeiras com investimentos no Brasil, conquistando sólida reputação na comunidade germânica.

“A afinidade acadêmica e profissional, nossa atuação nas mesmas entidades empresariais e científicas, como a Câmara de Comércio e Indústria Brasil Alemanha e na diretoria do Instituto Brasileiro de Direito Tributário – IBDT permitem-me confiar, plenamente, no sucesso desta nova parceria com o amigo e colega Fernando Zilveti”, afirma Rothmann.
Zilveti Advogados atua no mesmo segmento de direito empresarial há quase três décadas, com uma equipe multidisciplinar capacitada a assessorar empresas nacionais e internacionais nas mais diversas áreas da economia. Assim como o Prof. Rothmann, Zilveti Advogados tem expressiva atuação nas câmaras de comércio americana, alemã, dentre outras. Seu sócio-fundador Prof. Dr. Fernando Zilveti é Mestre, Doutor e Livre-docente em Direito Tributário pela tradicional faculdade do Largo de São Francisco – USP, e autor de diversos artigos e livros, dentre eles A Evolução Histórica da Teoria da Tributação.
“É com grande respeito e admiração que recebo em meu escritório o Professor Rothmann, com quem muito aprendi e, tenho certeza, ainda aprenderei”, finaliza Fernando Zilveti.

A novidade foi noticiada pelo portal do JOTA: goo.gl/kbdEG5

Compartilhe

Artigos Recentes

Recuperação Judicial do Grupo Beloti: Impactos e Contexto no Agronegócio Brasileiro

O Grupo Beloti, um player significativo no agronegócio de Mato Grosso, enfrenta uma crise severa, acumulando dívidas de cerca de R$ 170 milhões e entrando em recuperação judicial. O que podemos extrair deste cenário?

Ler mais >