Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional poderá bloquear bens sem autorização judicial

Foi publicada, no dia 10 de dezembro, a Lei nº 13.606, que permite a Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN) dispensar o Judiciário para realizar o bloqueio de bens dos devedores inscritos na Dívida Ativa da União. A nova regra está no artigo 25 da lei do Funrural, que acrescentou o artigo 20-B à Lei 10.522/2002, que trata dos cadastros de inadimplentes federais.

Com a nova redação, a PGFN poderá notificar devedores inscritos na Dívida Ativa em cartório. Os devedores terão cinco dias úteis para pagar, uma vez que a notificação do órgão, agora, tem presunção de validade.

Caso a dívida não seja paga no prazo acima, a PGFN pode comunicar a existência do débito aos órgãos de restrição ao crédito e também averbar, inclusive por meio eletrônico, a certidão de dívida ativa nos órgãos de registro de bens e direitos sujeitos a arresto ou penhora, tornando-os indisponíveis.

De acordo com um estudo elaborado pela Procuradoria, no período de 2012 a 2017, devedores já inscritos em dívida ativa alienaram imóveis num montante superior a R$ 50 bilhões, prejudicando a União e os terceiros de boa-fé que compraram esses bens.

Embora essas alienações já possam ser caracterizadas como fraude à execução (art. 185 do CTN), é necessário desconstituí-las judicialmente, o que pode levar anos ou até mesmo décadas. Isso gera uma perda de eficiência no processo de recuperação do crédito público, que se pretende eliminar daqui para frente.

Segundo a PGFN, a indisponibilidade administrativa também viabilizará o ajuizamento seletivo previsto no art. 20-C da Lei 10.522/2002, também introduzido pela Lei nº 13.606/2018. Pretende-se cobrar judicialmente apenas devedores com patrimônio previamente identificado, colaborando para desafogar o Judiciário, que atualmente processa mais de 4,5 milhões de execuções fiscais ajuizadas pela PGFN.

Por outro lado, é possível afirmar que os novos poderes da Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional violam o devido processo legal, a inafastabilidade de jurisdição, bem como o direito a propriedade. Algumas entidades como a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (FIESP) e a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) já avaliam questionar na Justiça essa nova norma.

Os bloqueios deverão começar a acontecer dentro de três meses, uma vez que a área técnica do órgão está processo desenvolvimento da ferramenta eletrônica que irá realizar a tarefa.

Marília de Prince Rasi Faustino

mfaustino@zilveti.com.br

Associada | Consultivo Tributário

Zilveti Advogados

Jordão Luís Novaes Oliveira

joliveira@zilveti.com.br

Associado | Consultivo Tributário

Zilveti Advogados

Compartilhe

Artigos Recentes

Órgão Especial do TJ/SP Declara a Inconstitucionalidade do ISS Progressivo Para Sociedades Uniprofissionais

O Órgão Especial do Tribunal de Justiça de São Paulo declarou inconstitucional o artigo 13 da Lei 17.719/2021 do município …

Ler mais >