PIS/COFINS insumos: STJ define o tema e considera todos os bens e serviços indispensáveis para a atividade da empresa

A 1ª Seção do Superior Tribunal de Justiça julgou nesta quinta-feira (22/02), o Recurso Especial nº 1.221.170 que discute o conceito de insumo para o fim de definir o direito ao crédito de PIS e COFINS e, por maioria de votos (05 x 03), deu provimento ao recurso do contribuinte para afastar a interpretação restritiva adotada pela Receita Federal.

Com isso, a Corte declarou ilegais as instruções normativas da Receita nº 247/2002 e nº 404/2004 por entender que os referidos atos normativos comprometem a não cumulatividade do PIS e da COFINS.

O RESp nº 1.221.170 é um dos processos que possuem maior impacto financeiro em tramitação no STJ e estava afetado como repetitivo, o que significa que a tese deve ser aplicada para todos os casos que tratam da mesma matéria. Por essa razão, o desfecho desse caso era tão aguardado pelos contribuintes e pela Fazenda desde novembro de 2016, quando a Ministra Assusete Magalhães pediu vista do processo.

O julgamento, iniciado em 2015, terminou com a leitura do voto-vista da Min. Assusete, que entendeu, de forma favorável ao contribuinte, que o conceito de insumo deve ser aferido à luz dos critérios da essencialidade ou relevância. Assim, para a Ministra, deve-se considerar a importância de determinado bem ou serviço para o desenvolvimento da atividade econômica da empresa.

Neste mesmo sentido, votaram os Ministros Mauro Campbell, Napoleão Nunes Maia Filho, Regina Helena Costa e Gurgel de Faria.

Restaram vencidos os Ministros Og Fernandes, Benedito Gonçalves e Sérgio Kukina, que concordavam com o entendimento da Receita de que só gerariam créditos matéria prima ou outros produtos usados no processo industrial.

O julgamento simboliza um grande avanço para a discussão, mas não põe fim a ela, tendo em vista que se faz necessária a análise da situação especifica de cada contribuinte, isto é, a verificação se os insumos são essenciais ou relevantes na atividade da empresa.

Letícia Moura de Mello

lmello@zilveti.com.br

Associada | Contencioso Tributário

Zilveti Advogados

Marília de Prince Rasi Faustino

mfaustino@zilveti.com.br

Associada | Contencioso Tributário

Zilveti Advogados

Compartilhe

Artigos Recentes

Órgão Especial do TJ/SP Declara a Inconstitucionalidade do ISS Progressivo Para Sociedades Uniprofissionais

O Órgão Especial do Tribunal de Justiça de São Paulo declarou inconstitucional o artigo 13 da Lei 17.719/2021 do município …

Ler mais >