Minas Gerais regulamenta lei de transparência que obriga Indústrias Farmacêuticas a declarar suas relações com profissionais de saúde.

O Estado de Minas Gerais deu um importante passo para tornar as relações na indústria farmacêutica mais transparentes ao promulgar a Lei nº 22.440 de 21/12/2016, regulamentada no fim de 2017 pelo Decreto nº 47.334.

A mencionada lei determina, de forma inédita no Brasil, que as empresas atuantes nos processos de produção, fabricação, beneficiamento, distribuição e até comercialização de medicamentos, órteses, próteses, equipamentos e implantes, deverão comunicar a Secretaria de Estado de Saúde – SES de Minas Gerais, qualquer tipo de benefício ou doação, tais como brindes, passagens, inscrições em eventos, hospedagens, financiamento de etapas de pesquisa, consultoria e palestras, oferecidos para profissionais de saúde com registro em conselho de classe, bem como para seus familiares, acompanhantes e pessoas convidadas.

O recente regulamento prevê que as empresas farmacêuticas listadas terão até o último dia útil do mês de janeiro de cada ano para declarar as informações referentes ao ano anterior no site disponibilizado pela Secretaria de Estado de Saúde.

Além disso, o regulamento prevê um mecanismo de busca para que a população verifique os benefícios recebidos por cada profissional da área da saúde, com o objetivo de evidenciar o possível conflito de interesses na atuação médica.

A lei mineira tem clara semelhança com o Physician Payments Sunshine Act, ou somente Sunshine Act, lei americana vigente desde 2013 que obriga os fabricantes de medicamentos e dispositivos médicos a declararem tanto as relações societárias que eventualmente tenham com os profissionais de saúde, como também os benefícios e doações oferecidos para tais profissionais.

Esse significativo avanço criará um ambiente mais transparente, pois, permite que os pacientes tenham acesso a informações sobre a extensão da relação dos profissionais de saúde com as empresas da indústria farmacêutica, o que, certamente, será decisivo nas escolhas dos profissionais, tratamentos e medicamentos indicados.

Cauê Batista de Oliveira

coliveira@zilveti.com.br

Associado | Compliance

Zilveti Advogados

Natália Affonso Pereira

npereira@zilveti.com.br

Associada | Contencioso Tributário

Zilveti Advogados

Compartilhe

Artigos Recentes

Órgão Especial do TJ/SP Declara a Inconstitucionalidade do ISS Progressivo Para Sociedades Uniprofissionais

O Órgão Especial do Tribunal de Justiça de São Paulo declarou inconstitucional o artigo 13 da Lei 17.719/2021 do município …

Ler mais >